Quem Somos

Quem Somos

Evolução dos Trabalhos

O Projeto EXPORTA, SÃO PAULO, promovido, desde setembro de 2004, pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo – FACESP e pela São Paulo Chamber of Commerce/Associação Comercial de São Paulo – ACSP, visa fomentar as exportações do Estado e expandir a sua base exportadora, inserindo produtores de micro, pequeno e médio portes em mercados externos, envolvendo pessoas físicas e jurídicas com potencial de exportação.

Trata-se da continuação de trabalhos regulares iniciados em 29 de agosto de 1994, com o Seminário Internacional “Compras no Exterior e Suprimentos – Como se relacionar com fornecedores estrangeiros" realizado pelo Programa de Internacionalização da Empresa Brasileira – Caminhos para os anos 2000, lançado pela ACSP, em conjunto com a FACESP, no contexto das comemorações do centenário da Associação da Capital. Sinalizava-se, assim, o entendimento de que os anos seguintes seriam marcados pela internacionalização das empresas não apenas paulistas, mas também de outros estados brasileiros.

Em setembro de 2001, as mesmas entidades reorganizaram tais trabalhos, passando a desenvolvê-los com o Movimento Dobrando as Vendas Externas com as Comerciais Exportadoras – Como Conseguir US$ 100 bilhões de Exportações, que mobilizou produtores de várias regiões do Estado para o esforço exportador e valorizou o papel dessas empresas como instrumentos de racionalização da prospecção de mercados e do acesso aos mesmos. O movimento mobilizou e sensibilizou produtores com potencial de exportação levando-os a participar dos eventos Exportar para Crescer. No primeiro da série, realizado em São Paulo no dia 18 de setembro de 2001, foi lançado o Diretório de Comerciais Exportadoras e Traders, dando visibilidade aos estabelecidos no Estado que responderam ao levantamento feito pela ACSP.

Tais eventos, compostos de seminário, despachos executivos e encontros de negócios com comerciais importadoras e exportadoras, foram itinerantes pelo Estado,. A especificação dos itens com os quais os produtores trabalhavam era, à medida que se inscreviam nos eventos, cruzada com a dos produtos comercializados por essas empresas, por meio das respectivas NCMs (Nomenclaturas Comuns do Mercosul), para facilitar a programação dos encontros.

Com o intuito de manter aquecidas as mobilizações e agilizar a conversão de produtores em novos exportadores, o Movimento passou a organizar oficinas técnicas de capacitação na forma de workshops, cobrindo temas com potencial de redução de custos ou de agregação de valor do produto exportado, proporcionando, assim, ganhos de rentabilidade e, por conseguinte, fortalecendo a competitividade de produtores e exportadores. A exploração desse potencial representa um “câmbio adicional” ao exportador, expressão, há tempos, incorporada ao jargão do comércio internacional brasileiro.

Essa estrutura foi absorvida pelo Projeto EXPORTA, SÃO PAULO já em 2004. Desde então, foram realizados 53 eventos EXPORTAR PARA CRESCER em municípios abrangidos pelas 20 Regionais Administrativas da FACESP, sendo a maior parte na Capital. Os participantes desses eventos e das tais oficinas que se seguiram possibilitaram o envolvimento do Projeto com mais de 4 mil empresas do Estado.

Tendo em vista a importância da logística internacional na competitividade de produtos de exportação e importação, os trabalhos receberam o apoio dos desenvolvidos pelo Comitê de Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo, órgão de consulta da ACSP, em funcionamento desde outubro de 1993, ano em que a Lei 8.630, da modernização dos portos, foi promulgada, abrindo espaço para as associações comerciais brasileiras representarem interesses de proprietários e consignatários de mercadorias nos Conselhos de Autoridade Portuária – CAPs e nos Conselhos de Supervisão dos Órgãos Gestores de Mão-de-Obra – OGMOs então criados.

Com a mesma motivação da busca por ganhos de competitividade, o Comitê promoveu, de 2007 a 2013, o Projeto Porto 24 Horas para o complexo santista, voltado ao incremento da produtividade de ativos logísticos, envolvendo terminais portuários e retroportuários, bem como suas vias de acesso, veículos e outros equipamentos.

A Importância do CECIEx

Em 2006, com o intuito de fortalecer o papel das comerciais importadoras e exportadoras, notadamente como instrumentos de racionalização da prospecção de mercados e do acesso aos mesmos por produtores de micro, pequeno e médio portes, a ACSP criou o Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras – CECIEx, atualmente com atuação nacional e representação em diversos estados.

As missões empresariais organizadas pelo Conselho a Angola, África do Sul e Cingapura, respectivamente em 2008, 2009 e 2010, comprovaram tal racionalização pois, além do êxito na concretização de vendas para esses países, cada empresa participante das comitivas ao exterior representava, em média, 9.5 daqueles produtores, levando nas suas “cestas” produtos de uma mesma cadeia produtiva ou com afinidades sob a ótica da sua distribuição. Ou seja, um único trader trabalhou no acesso a mercados para quase dez produtores, proporcionando assim uma extraordinária racionalização de esforços e despesas de promoção comercial no exterior.

Essa constatação demonstrou, também, a capacidade das entidades citadas no desenvolvimento de ciclos completos de negócios de exportação, desde a mobilização e sensibilização de tais produtores até a efetiva comercialização externa de seus produtos, com a participação de empresas comerciais importadoras e exportadoras. Cabe lembrar que as mesmas atuam com características meramente mercantis, comprando no País ou no exterior e vendendo produtos a terceiros países, bem como prestam serviços a produtores, exportadores e importadores, na forma de departamentos terceirizados de exportação e importação.

Vale, também, destacar o reconhecimento e a valorização do papel dessas empresas já nas primeiras edições do Prêmio EXPORTA, SÃO PAULO, em uma das categorias especiais de premiação.

Foco no Competidor Global

É, ainda, importante ressaltar, sobretudo em face da volatilidade da taxa de câmbio, variável fundamental para a lucratividade tanto de exportações quanto de importações, o foco permanente do EXPORTA, SÃO PAULO na formação de competidores globais , aptos a suplantar a concorrência de produtos importados e suficientemente robustos para ganhar e preservar mercados no exterior, competindo com fornecedores locais e estrangeiros.

Esses conceitos permeiam as ações do Projeto, detalhadas em áreas deste portal, a serem expandidas nas suas próximas versões. Por ora, são destacadas as questões da competitividade, chamando-se, também , a atenção para as compras e vendas externas dos municípios onde produtores com potencial de exportação, exportadores e importadores paulistas estão estabelecidos. Ao verificar as pautas de exportação e importação de cidades vizinhas, o objetivo é despertá-los , sobretudo os que podem tornar-se exportadores, para as oportunidades que existem em outros países. As ameaças, caracterizadas por importações, ressaltam a importância do “competidor global”, já mencionada.

O propósito do campo “Construa o seu projeto” é fornecer elementos, tanto àqueles produtores quanto a exportadores, que estimulem e facilitem a montagem de seus projetos de exportação, a partir de conceitos, troca de experiências e informações proporcionados pelas oficinas técnicas de capacitação na forma de workshops organizados pelo Projeto.

Copyright © ConTrader Comércio Exterior. Todos os direitos reservados 2016-2017